18 de Outubro de 2015 - 17h15

Salve-se quem puder!! Curitiba tem duas largadas acidentadas na Stock Car

Cacá Bueno foi atingido duas vezes, nas duas corridas; Daniel Serra abandonou por causa dos danos provocados pelas pancadas
Salve-se quem puder!! Curitiba tem duas largadas acidentadas na Stock Car Fernanda Freixosa/Vicar

Daquelas certezas da vida: nas largadas do Circuito Schini Stock Car em Curitiba (PR), quase sempre tem confusão. Não foi diferente neste domingo (18), na antepenúltima etapa da temporada. Inspirados pela reta longa, de 1 km de extensão, e larga, 15 metros de pista, os pilotos se espremem procurando espaço para contornar a primeira curva. Os acidentes são garantidos.

Essa cena se repetiu nas duas corridas. E acabou comprometendo o fim de semana de muita gente, incluindo alguns dos principais candidatos ao título. Depois de levar uma pancada, Cacá Bueno terminou a primeira corrida em 13º lugar. Na segunda, abandonou. Daniel Serra não completou nenhuma das duas, justamente por causa dos toques recebidos.

Líder do campeonato e pole position, Marcos Gomes se viu bastante pressionado na primeira curva e tentava se defender quando tomou um toque na traseira do carro e saiu atravessado, acertado Diego Nunes e Daniel Serra. Cacá Bueno perdeu posições na largada, mas passou ileso nessa primeira perna do “S” de baixa velocidade no fim da reta.

O que ele não esperava era o toque de Rafael Suzuki logo na sequência. Cacá rodou e caiu para as últimas posições. Os dois pilotos da Red Bull Racing começaram a fazer a chamada “corrida de recuperação”. Daniel Serra andou na zona de pontos, mas levou outras pancadas e abandonou com o motor quebrado, provavelmente por danos ao escapamento.

Lucas Foresti venceu a corrida, pela primeira vez na Stock Car. Cacá Bueno levou o carro ao 13º lugar. Naquela altura, era um ótimo resultado, considerando todas as circunstâncias. Estava reduzindo a vantagem de Marcos Gomes no campeonato (Marquinhos parou logo depois da largada). Só que na segunda corrida...

Mais confusão na largada. Daniel Serra não largou em função do motor quebrado. Cacá Bueno tentou fugir da encrenca, mas ainda na primeira volta foi atingido, bateu em Valdeno Brito e condenou o pobre do capô, danificado desde os acidentes da primeira corrida. Ele ainda entrou nos boxes para trocar a peça, mas não deu para continuar.

Cacá estava à frente de Marquinhos quando o capô começou a se soltar. Marquinhos aproveitou a deixa e fez excelente corrida. Terminou em quarto lugar. Os resultados permitiram a ele ampliar para 37 pontos a vantagem sobre Cacá Bueno, faltando três corridas para o encerramento do campeonato. Max Wilson ganhou a corrida.

“Na primeira corrida, o Marquinhos tirou o pé, fui obrigado a tirar também e foi justamente quando deram a largada. Tinha gente largando melhor atrás de nós e eu fiquei no meio da reta, sabendo que perderia alguns lugares, mas pensando em preservar o carro. Na freada, vários carros passaram reto, recuperei posições, mas aí me acertaram e eu só vi o Valdeno rodando comigo. Deixei o carro ir pra fora da pista, pra ninguém me atingir, e aí fui atrás de recuperar. Na segunda corrida, larguei melhor, mas puxei para direita, fiquei sem espaço e acabei na grama. Tirei o pé, voltei pro asfalto com calma, mas aí aconteceu tudo igual: todo mundo que chegou desesperado na primeira curva passou reto e quis voltar, todo mundo se enroscando, se enganchando. Bateram em mim, encostei no Valdeno e o capô, que já estava surrado, acabou quebrando de vez”, lamentou Cacá Bueno, que permanece na vice-liderança da temporada.

“Foi tudo muito complicado hoje, especialmente por causa das largadas. Os carros da frente estavam em velocidade muito baixa, mas quem vem atrás, vem de pé embaixo. Eu fui por fora e quando chegamos na freada, tentei achar um espaço. Olhei para a direita e pensei ‘vai dar pra entrar’. Só que no que eu virei o volante, veio o Marquinhos já sem controle e me acertou. Não dá pra ter certeza, mas ali acho que o carro já perdeu bastante de desempenho. Fui fazer minha corrida, cheguei a andar nos pontos, mas não estava fácil, o carro não estava legal. Aí faltando seis voltas a gente teve de parar por causa do motor quebrado. É a sétima vez que eu fico zerado esse ano, mas vamos lá, estamos na briga mesmo assim e isso é que é o importante”, lembrou Daniel Serra.

Venda de ticket

Compre já seu ingresso
para a próxima etapa!

Clique aqui e
garanta o seu.
x