29 de Setembro de 2016 - 14h24

Átila Abreu: "Xô, zica!"

Chevrolet #51 abre a janela de pit-stops na corrida 1 e acaba muito perto da vitória na prova complementar
Átila Abreu: Foto: Duda Bairros/Vicar

Com um bom ritmo e uma estratégia eficaz, Átila Abreu conquistou seu melhor resultado em 2016. O sorocabano foi segundo colocado na corrida 2 em Londrina, depois de terminar a primeira em 14o. Com o desempenho o Chevrolet #51 avançou para 11o no campeonato, empatado em 109 pontos com Ricardo Mauricio.

Foi também o melhor resultado do competidor sorocabano na cidade do norte paranaense, onde conquistou em 1999 seu primeiro título nacional, o Campeonato Brasileiro de Kart.

“Quem acompanha a categoria sabe que tem sido um ano bem difícil para nós, mas eu jamais deixei de acreditar no meu potencial e a capacidade da Shell Racing, que é uma grande equipe. Passamos por muita dificuldade e fico até emocionado em falar... Tinha uma estratégia pra a corrida, mas eu e o Rodolpho (Mattheis, chefe da equipe) sentamos e assumimos o risco para mudar os planos”, começou.

“E a tática foi perfeita. Tinha o carro competitivo para acompanhar o pelotão. Achei que o pessoal que não parou na primeira corrida não ia terminar, mas com os safetys tiveram autonomia. Mas fico contente com nossa performance defendendo as posições de carros muito rápidos. Faltam ainda quatro corridas neste ano. Xô zica! Agora vamos brigar pelas vitórias”, desabafou o piloto, ensopado de champanhe após a cerimônia de pódio.

Na largada da primeira corrida, Átila tracionou bem e avançou para 13o. Na primeira volta ele foi hábil para evitar contato com o carro de Daniel Serra rodado bem à sua frente, e depois o de Lucas Foresti.

O safety-car foi acionado, permanecendo até a abertura da quinta volta. Átila era 12o e vinha a meio segundo do ritmo dos líderes. Em conjunto com a equipe Shell Racing, ele então decidiu arriscar, antecipando o reabastecimento para a 11a volta.

Deixou os pits em 22o e só fez avançar até a bandeirada. Era 17o na metade da prova e 15oa dez voltas do fim –atrás apenas de Allam Khodair entre os que fizeram pit-stop. No final, herdou uma posição com o furo de pneu de Max Wilson e levou o Chevrolet #51 à 14aposição (e segundo carro mais bem colocado entre os que pararam).

Na largada da segunda corrida Átila acabou encaixotado por fora no fim da reta oposta –em Londrina as largadas não acontecem na reta principal. Mesmo assim saltou para 12o, mas foi ultrapassado por Thiago Camilo, que também havia parado na prova de abertura e e largou em 15o.

O safety-car foi acionado no fim da primeira volta, precipitando a entrada de diversos concorrentes que não haviam parado ainda para o reabastecimento.

Com o pelotão reagrupado para a bandeira verde, na abertura da quinta volta, o vice-campeão de 2014 vinha em oitavo com o carro da Shell Racing. Na sexta volta, Átila superou Camilo, assumindo a sétima posição. Três giros depois, Cacá Bueno entrou no box, e o sorocabano avançou para sexto, pressionando bastante Guga Lima por um lugar no top5.

Na décima volta, Átila passou tanto Guga Lima quanto Max Wilson, trazendo junto Camilo em dura disputa pelo quarto lugar. Rafael Suzuki rodou sozinho e foi acertado por Guga Lima na volta 15, precipitando nova intervenção do safety-car.

A relargada aconteceu na abertura da volta 18, a menos de cinco minutos para o fim do tempo regulamentar de prova. Átila passou Marcos Gomes e assumiu o terceiro lugar, atrás apenas de Rubens Barrichello e Khodair.

A 2min30s do fim, com botão de ultrapassagem, Átila passou Khodair na reta oposta. Então defendeu contra-ataque do oponente no fim da reta principal. Na volta final, segurou novamente ataque de Camilo para conquistar a segunda posição, seu melhor resultado pela Shell Racing.

A próxima jornada da Stock Car acontece em Curitiba, com mais uma rodada dupla no dia 16 de outubro.

Venda de ticket

Compre já seu ingresso
para a próxima etapa!

Clique aqui e
garanta o seu.
x