30 de Novembro de 2016 - 18h33

Daniel Serra: Herói da Resistência

Red Bull Racing optou por estratégias diferentes para seus dois pilotos; Cacá Bueno pontuou e Daniel Serra subiu no pódio, premiando o esforço do time na reconstrução do carro
Daniel Serra: Herói da Resistência Foto: Fábio Davini/Vicar

Daniel Serra não tinha nenhum motivo para acreditar em um bom resultado na estreia da Stock Car em Curvelo, no interior de Minas Gerais. Durante os treinos livres uma quebra na ponta da homocinética forçou uma batida muito forte na barreira de concreto, que detonou o carro dele. E quando a gente diz que detonou, é porque detonou mesmo! Tanto que Serrinha não pôde mais treinar naquele dia.

A Red Bull Racing precisou recuperar tudo da noite para o dia. O resultado deste esforço veio neste domingo, 20 de novembro. Largando mais atrás (precisamente em 19º), Serrinha teve de sacrificar a primeira bateria, parando para abastecer e trocar pneus. Assim, estaria em melhores condições para a segunda corrida. Durante toda a prova, manteve um bom ritmo no pelotão intermediário. E quando os adversários começaram a entrar nos boxes, ou parar na pista com pane seca, pimba! Serrinha apareceu em terceiro. Foi o primeiro pódio dele desde Santa Cruz do Sul, em junho, e o primeiro da Red Bull Racing desde Cascavel, em julho.

“Fazia um tempinho que a gente não visitava o pódio! A gente começou o ano muito bem, eu liderei o campeonato, mas depois tivemos falta de sorte, algumas quebras. É bom voltar para o pódio! Principalmente depois do esforço que a equipe teve, de deixar o carro pronto depois do meu acidente. Perdemos tempos de pista, perdemos treinos, mas esse pódio veio de presente pra eles!”, comemorou.

Cacá Bueno tinha chances de, também, subir no pódio. Na primeira corrida, saiu em sétimo lugar. Mas uma pancada logo na largada aniquilou suas esperanças. O carro dele ficou virado ao contrário e Cacá perdeu muito tempo. Mudou de estratégia e passou a poupar pneus e combustível. Ainda conseguiu marcar pontos nessa primeira prova, em 16º, mas aí faltou gasolina na segunda bateria e ele parou no meio da pista. Pelo menos teve a chance de dar uns acenos para o público e fazer a alegria da multidão que lotou as arquibancadas!

“Tudo durou muito pouco, na verdade. Eu fiz uma boa largada na primeira corrida, vi o acidente do Marquinhos [Gomes] acontecendo na minha frente, mas tomei a linha de fora e já estava passando por ele quando recebi uma pancada forte na traseira e acabei rodando. Foi uma pena porque eu estava pulando pra quarto! A partir daí, minha ideia foi poupar pneus e combustível, mas também acabou não dando certo. Agora é pensar em São Paulo, onde a gente termina uma história muito bonita e muito vitoriosa”, concluiu o pentacampeão.

O campeonato da Stock Car termina no dia 11 de dezembro, no autódromo de Interlagos, em São Paulo.

Venda de ticket

Compre já seu ingresso
para a próxima etapa!

Clique aqui e
garanta o seu.
x