Hot Car: um comemorado top-10

Raphael Abbate somou bons 15 pontos na rodada dupla de Londrina (PR)

Foi um presentão antecipado de aniversário. O paulista Raphael Abbate, da Hot Car Competições (Bardahl), largou da 25ª posição para cruzar a linha de chegada em nono na corrida principal da oitava etapa da Stock Car, realizada no último dia 25 em Londrina (PR). O piloto, que completou 25 anos na segunda-feira (26), comemorou o resultado, que lhe rendeu 15 pontos no campeonato.

A alegria do time do chefe Amadeu Rodrigues só não foi completa na pista paranaense, porque o companheiro Felipe Lapenna - que partiu para a estratégia de focar na segunda prova da rodada - terminou em 19º na primeira corrida e acabou sendo tocado na segunda bateria, quando já estava entre os 10 primeiros.

Os vencedores da rodada foram Felipe Fraga, que segue na liderança da temporada, e Rubens Barrichello, que está em segundo no campeonato. No dia 16 de outubro, a Stock Car volta ao Paraná para a etapa em Curitiba.

Com o nono lugar na primeira prova, Abbate largou de segundo na bateria final (o grid é invertido para os 10 primeiros). O piloto, no entanto, acabou "espremido" na largada e perdeu posições. Mas vinha buscando chegar nos pontos, apostando na redução de consumo de combustível com a entrada do safety car, mas no final o carro começou a apresentar falhas.

"Desde o começo, a nossa estratégia era colocar um carro na primeira corrida e outro na segunda. Nossa tática deu certo, eu fiz uma ótima largada. Recuperei muitas posições, mantive um ritmo muito forte, alcancei o pelotão e levamos a ‘Flecha Dourada’ à nona posição, o que nos deu a segunda colocação na largada para a segunda bateria. Infelizmente, na prova final acabou o combustível, tentamos contar com a sorte do safety car para trazer mais pontos, mas não deu. Estou muito feliz pelo resultado, agora vamos para Curitiba", declarou o paulista do "dourado" Stock #26.

Já Lapenna lamentou os toques sofridos na segunda prova. Na corrida 1, o piloto largou em 19º e optou por parar e reabastecer, apostando suas fichas na prova final. Finalizou em 19º e marcou três pontos. Outro fator que dificultou a performance do paulista do Stock #110 foi o rendimento do motor.

"Foram duas coisas: uma que meu motor estava com problema desde a primeira corrida. Eu sentia dificuldade em acompanhar o pelotão da frente. Outra que eu acabei sendo prejudicado na segunda corrida com um toque nessa largada meio doida. Me acertaram na traseira, eu bati na frente, acabou caindo meu extrator e o carro ficou perigoso de guiar. Eu não conseguia parar na pista e o motor não estava ajudando. Foi uma pena. Corremos para a segunda, já estava entre os primeiros, mas vamos para a próxima", avaliou Lapenna.

O chefe da equipe, Amadeu Rodrigues, também fez uma análise da etapa. "O Rapha realmente fez a primeira corrida perfeita, uma largada fantástica, um ritmo muito bom, bem próximo da melhor volta da corrida. Foi um ótimo trabalho. Na segunda, na largada, ele se envolveu com um toque e a gente já tinha a estratégia de fazer o maior número de pontos na primeira corrida. O objetivo foi alcançado, ele está de parabéns. O carro está perfeito, inteiro e isso é muito importante", disse.

"Infelizmente, o Lapenna tomou um toque na corrida 2 e a parte de trás do carro saiu. Como é a parte que cuida de toda a aerodinâmica, o carro ficou instável e, como optamos por fazer a segunda corrida, na batida perdemos as duas. Mas na primeira ele ainda conseguiu três pontos, chegando em 19º. Está bom, vamos avaliar como um bom trabalho", finalizou Rodrigues.