Últimas notícias

Serra: quem mais aproveita pontos

Segredo na atual temporada é pontuar bem nas duas corridas do final de semana, algo que Daniel Serra tem feito com maestria

Nove corridas foram disputadas até agora na temporada 2018 da Stock Car, divididas em quatro rodadas duplas mais uma prova individual, que foi a Corrida de Duplas que abriu o campeonato deste ano. E, ao contrário dos anos anteriores, em que a disputa entre líder e vice-líder se dava no aproveitamento variado entre as provas de uma rodada dupla, 2018 tem mostrado que os líderes colocaram a consistência acima de tudo.

Considerando as quatro rodadas duplas disputadas até aqui – Curitiba, Velopark, Londrina e Santa Cruz do Sul -, não há pilotos diferentes sobressaindo em uma ou outra corrida. No caso da atual temporada, o melhor aproveitamento é do mesmo competidor: Daniel Serra, atual campeão e atual líder do campeonato.

Serra somou 85 pontos nas primeiras corridas das rodadas e 47 nas segundas. É o melhor aproveitamento em ambos os casos. Os outros, se somaram um bom número de pontos nas corridas de número 1, deixaram de fazê-lo na segunda prova de cada praça. Não à toa, soma 152 pontos e mantém uma vantagem de 43 pontos sobre o segundo colocado.

Tem se aproveitado bem das situações mesmo em condições mais desfavoráveis, já que na segunda corrida de cada etapa os dez primeiros colocados largam em posição invertida. Mesmo assim, o piloto da Eurofarma RC só ficou de fora do top-5 uma única vez.

Vice-líder da temporada, Marcos Gomes fez 74 pontos na primeira prova de cada rodada, mas apenas 29 nas segundas. Max somou os mesmos 74 pontos nas disputas iniciais, e apenas oito nas provas complementares.

Depois de Serra, o melhor aproveitamento de pontos nas corridas 2 é Thiago Camilo, que somou 41 pontos. Por outro lado, fez apenas 12 nas provas de abertura das rodadas duplas.

Destaca-se também o aproveitamento de Lucas di Grassi, que somou 40 e ainda não participou de duas – Velopark, quando bateu na primeira prova, e Santa Cruz do Sul, onde não participou por conflito de datas com a Fórmula E. Não à toa, suas duas vitórias – Curitiba e Londrina – aconteceram justamente na segunda corrida.