SuperTC2000: Ricardo Zonta é o melhor brasileiro nos 200 Km

Dividindo o Toyota Corolla com Esteban Guerrieri, piloto da Shell Racing na Stock Car ficou na oitava posição. Valdeno Brito havia feito a pole-position no Fiat Linea, mas abandonou a corrida

A SuperTC2000, categoria mais prestigiada da Argentina, realizou no último domingo (31) a corrida mais esperada de seu calendário. Os 200 Km de Buenos Aires foram disputados em condições mistas, com chuva e pista seca, no Autódromo Oscar y Juan Galvez, na capital argentina. Seis pilotos que competem na Stock Car correram como convidados formando pares com os titulares da categoria, a exemplo da Corrida de Duplas da categoria brasileira.

A vitória ficou com o Chevrolet Cruze de Agustin Canapino e Guillermo Ortelli, que completaram as 44 voltas de corrida em 1h20min51s803. Matias Rossi/Gabriel Ponce de León (Toyota Corolla) e Christian Ledesma/Mauro Giallombardo (Renault Fluence) completaram o pódio da etapa.

A Stock Car esteve representada por seis pilotos que competem regularmente na principal categoria do automobilismo brasileiro. E eles chegaram mostrando serviço. Valdeno Brito, correndo no Fiat Linea ao lado de José Manuel Urcera, marcou a pole-position para a corrida, mas na prova a dupla teve de abandonar com problemas mecânicos ainda na oitava volta da disputa.

“O motor entrou em modo de segurança. Eram motores novos e alguns carros estavam com mais problemas que outros... Uma pena, porque tínhamos reais chances de vencer. Faz parte”, lamentou Valdeno, piloto da TMG Racing na Stock Car.

Assim, o melhor piloto da categoria na prova foi Ricardo Zonta, correndo no Toyota Corolla ao lado de Estéban Guerrieri. A dupla terminou a prova na oitava colocação. Galid Osman, no Peugeot 408 dividido com Damián Fineschi, terminou em 13º lugar, a uma volta dos vencedores. Daniel Serra foi 17º ao lado de Norberto Fontana e o bicampeão do Super TC2000, Nestor Girolami, piloto da Eisenbahn Racing Team no Brasil, foi apenas o 20º, abandonando a 11 voltas do final correndo com Mariano Werner. Ricardo Maurício teve destino semelhante: abandonou a corrida a 22 voltas do fim, junto de Facundo Chapur no Peugeot 408.